• JOSEMARBESSA.COM

    Ele não poderia conceber alguém no mundo pior do que ele.





    Sob convicção verdadeira, não há nenhum conforto em pensar que o assassino cometeu um pecado maior do que o meu – essa é uma visão natural e não espiritual. O homem levado a convicção verdadeira para de pensar dessa forma. Paulo está tão ciente de sua pecaminosidade que ele não poderia conceber alguém no mundo pior do que ele.


    Era o Fariseu no templo que agradeceu a Deus por ele não ser como os outros homens – e ele podia ver em sua visão periférica o publicano ali perto. Ele era melhor, muito melhor do que aquele homem, ele achava. Temos a tendência natural em olhar pessoas vivendo uma vida mais imoral e depravada que a nossa e na comparação agimos como o fariseu. Aquela oração era um escárnio ao Deus Santo. Quando Deus mostra a nós mesmos o nosso coração, inclinamos nossa cabeça e clamamos com dor: “Sê propício a mim Pecador”.


    O “principal dos pecadores” (1 Timóteo 1.15) é como Paulo se autonomeou. Ele não encomendou uma instituto de pesquisa ou contratou uma empresa de detetives para chegar a essa conclusão. Essa não é uma afirmação científica.


    Paulo não mandou investigar os registros de todos os atos pecaminosos de todos os habitantes do mundo e depois gastou anos comparando-se a eles cuidadosamente e então chegou a conclusão: “Eu sou o principal dos pecadores!” – Não! 


    O que Deus está nos ensinando é que quando o homem chega a uma verdadeira convicção produzida pelo Espírito Santo, ele para de fazer comparação entre si e o mundo inteiro. Quando alguém pensa em relação aos seus pecados que eles apesar de tudo se comparado ao pecado de outros são menores, certamente não estão sob convicção bíblica, convicção do Espírito Santo.



    0 comentários:

    Postar um comentário

     

    ADORAÇÃO

    SERMÕES

    CHARLES H. SPURGEON