• JOSEMARBESSA.COM

    Quem Quiser, Pode Vir - Vincent Cheung


    Quando falo com meus pais e pastor, é típico eles dizerem "quem quiser, pode vir" como uma declaração que de certa forma prova o livre arbítrio do homem e refuta a idéia de que a salvação procede de Deus somente.

    Uma das falácias mais freqüentes que as pessoas cometem é a falácia da irrelevância. Portanto, sempre que nos depararmos com um argumento ou objeção que supostamente refuta o que a Escritura ensina, alguma vezes é suficiente simplesmente perguntar: "E daí?"

    Como muitas das objeções dos arminianos, essa é uma que não entendeu o ponto de forma alguma. Talvez eles tenham em mente Apocalipse 22:17, que diz, "quem quiser, tome de graça da água da vida" (KJV). Visto que isso é o que Deus diz, prontamente concordamos, mas e agora? Isso não nos diz nada. Ou, para ser mais preciso, por que alguém decide vir? Qual é a causa metafísica e espiritual por detrás da decisão da pessoa e a mudança de sua disposição? Essa é a questão. A declaração de Apocalipse, ou qualquer outra declaração que diga "todo aquele" para esse assunto, nos diz apenas o que está disponível para a pessoa que vem, ou o que acontece com ela. Não nos diz o porquê alguém viria, ou o porquê uma pessoa vem quando o faz.

    Aqui está algo que escrevi em Nascido de Novo,4 minha exposição de João 3:

    Eu posso dizer: "Todo o que se torna um peixe pode respirar debaixo d'água". A declaração é verdadeira, mas isso não significa que uma pessoa se torna um peixe a qualquer hora que desejar. De fato, qualquer inferência sobre a capacidade de alguém é estritamente inválida, visto que a declaração não contém nenhuma informação sobre capacidade, exceto sobre a capacidade do peixe respirar debaixo d'água. Quer seja possível ou não para uma pessoa se tornar um peixe, ninguém pode inferir nada a partir da declaração em si, mas ela apenas nos informa sobre o que aconteceria a uma pessoa que se transformasse num peixe.


    Além do mais, mesmo que seja possível para uma pessoa se tornar um peixe, a declaração não diz nada sobre como isso é possível, ou se está no próprio poder da pessoa fazer isso. Deus é certamente capaz de fazer um homem tornar-se um peixe, mas um homem "não pode tornar branco ou preto nem um fio de cabelo" (Mateus 5:36). Uma declaração como essa que fiz não nos diz nada sobre a capacidade de uma pessoa, mas a informação sobre a capacidade deve ser obtida em outro lugar.

    Sempre que estamos falando sobre algo que é impossível ao homem — tal como tornar-se um peixe — então isso significa que ou isso nunca acontecerá, ou Deus deve fazer com que isso aconteça pela sua onipotência.

    Os arminianos não têm nenhum respeito pela linguagem real do texto, o que significa que eles não possuem nenhum respeito pelo seu autor. Eles estão determinados a inferir a partir dele tudo o que querem, mesmo quando o texto não aborda o assunto de forma alguma.

    Ao responder à questão do por que alguém vem a Cristo, a Bíblia diz que é Deus quem escolhe a pessoa, muda sua natureza e controla sua mente, e isso é o que lhe faz "vir". Estabelecemos isso a partir da Escritura muitas vezes, de forma que não repetiremos aqui.

    De qualquer forma, esse é o ensino bíblico que os arminianos devem refutar. Da forma como se apresenta, a objeção deles equivale a dizer: "O calvinismo é errado porque a Bíblia ensina que todo aquele que crê em Cristo será salvo". Mas isso nem mesmo se aplica ao debate, visto que o calvinismo não afirma que algumas pessoas que crêem em Cristo serão mesmo assim condenadas. Não, o calvinismo concorda que todos os crentes serão salvos. A questão é e sempre foi quem crerá em Cristo, e o que faz essas pessoas crerem nele.

    Sempre que você for confrontado com uma objeção contra a fé cristã, é sempre prudente questionar a relevância do que é afirmado e fazer o oponente demonstrar a relevância. Nesse caso, algumas vezes sem ciência disso, parece que os arminianos assumem que o mandamento de Deus, que torna o homem responsável, também pressupõe a habilidade ou liberdade humana. Mas como menciono freqüentemente, embora o mandamento de Deus e a responsabilidade do homem estejam inseparavelmente relacionados, não há nenhuma relação bíblica ou lógica entre mandamento divino (ou soberania) e liberdade humana (ou habilidade), ou entre responsabilidade e liberdade humana.

    Dizer que somos responsáveis não tem nada a ver com sermos livres ou não, mas somente com o mandamento e julgamento de Deus. A suposição que conecta essas coisas dissociadas nunca foi provada e raramente foi sequer defendida em toda a história da filosofia e teologia, e é diretamente negada pela Escritura. Todavia, essa premissa antibíblica é compartilhada também por muitos calvinistas inconsistentes, levando a uma formulação teológica incoerente e embaraçosa, e à invenção de doutrinas enganosas tais como a liberdade compatibilista.

    3 comentários:

    1. Dentre muitos Textos na Palavra de Deus que deixa bem claro que a predestinação dupla (que Deus elege uns para salvar o outros para matar) nasceu na mente de Satanás, existe Um Texto que joga uma pá de cal naqueles que ecoam a voz de Satanás com a heresia da predestinação determinista, vejam: “Então, o Rei dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos”(Mat. 25: 41). Quero chamar atenção para o fato de que o Rei declara que o fogo foi preparado para o diabo e seus anjos e não para os malditos que por escolha estarão a Sua esquerda ou os benditos (Mateus 25:34) que por escolha estarão a Sua direita. Ou seja, o fogo foi preparado para Satanás e seus anjos, e não para o ser humano. Por isso só irá para o fogo, por escolha, por rejeição a Palavra de Deus, por livre arbitrio Portanto, “irmãos, por trás do ensinamento da predestinação dupla (que Deus elege uns para salvar o outros para matar), satanás está ensinando, insinuando, está fazendo alguns crerem que :
      -ele deixou de ser Lúcifer para ser satanás por eleição de Deus.
      - a terça parte dos anjos foram também predestinados por Deus à tornarem-se demônios.
      -o mal foi predestinado por Deus.
      -o ladrão veio para matar, roubar e destruir por predestinação Divina, ou seja, ele e seus demônios fazem o que fazem Por predestinação de Deus. È isso que Satanás quer que as pessoas pensem.
      Mas queridos, lembram-se, de João 8:44
      Segundo o ensino da predestinação dupla ou determinista, podemos afirmar que Deus predestinou dois sacerdotes para levarem fogo estranho perante a Sua face para assim poder destruí-los e assim mostrar Sua santidade naqueles se achegam a Ele. É o caso de Nadabe e Abiú. Eles foram separados por Deus para ministrar como sacerdotes de Deus, as ‘coisa’ e o povo de Deus, no Tabernáculo de Deus. Eles eram símbolos de Cristo e Seu Ministério a favor da humanidade. Contudo foram fulminados por Deus por levarem “fogo estranho perante a face do Senhor, o que Ele não ordenara”(Lev. 10:1) . Mas observe que os sacerdotes na verdade usaram o livre arbítrio na escolha do fogo estranho, pois a ordem do Senhor era não oferecer incenso estranho (Êxodo 30;8,9) ou como diz em Lev. 10 “o que Ele (o Senhor) não ordenara”. É imperativo mencionar que a vontade de Deus é que sejamos “santo como Ele é Santo” e não que levemos fogo estranho perante a sua face. E, que foi Deus quem escolheu Arão e seus filhos Nadabe, Abiú, Eleazar e Itamar para oficiarem como sacerdotes (Êxodo 28:1)
      Osmar Ferreira

      ResponderExcluir
    2. gostaria de saber o que passA Na cabeça de uma pessoa que quer refutar uma doutrina dessas com ARGUMENTOS FALACIOSOS.

      ResponderExcluir
    3. nadanospodemoscontraverdade as poucas letras te enlouquecem......vc está parecendo um aliado do reverendo mon.....belo universalista!Parabéns pela inconcistência nessa refutação engreçada.
      buaaaaaaaaaaaakkkkkkkkkkbuaaaaaaaaaaakkkkkkrs

      ResponderExcluir

     

    ADORAÇÃO

    SERMÕES

    CHARLES H. SPURGEON